Evangelho da semana: Jo 6, 24-35

Antes da nossa leitura deste domingo rezemos: Sabemos Senhor que a tua palavra é luz para os nossos passos e sob a tua luz desejamos caminhar. Por isso, te pedimos, enviai o vosso Espírito e dai-nos clareza acerca do que deseja nos dizer através desta palavra. Fortalecei nossa decisão para que possamos optar sempre pela tua palavra, uma vez que “só Tu Senhor tens palavras de vida eterna”.

Evangelho de 26/07/09 – Jo 6, 24-35

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

24. E, reparando a multidão que nem Jesus nem os seus discípulos estavam ali, entrou nas barcas e foi até Cafarnaum à sua procura.

25. Encontrando-o na outra margem do lago, perguntaram-lhe: Mestre, quando chegaste aqui?

26. Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: buscais-me, não porque vistes os milagres, mas porque comestes dos pães e ficastes fartos.

27. Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que dura até a vida eterna, que o Filho do Homem vos dará. Pois nele Deus Pai imprimiu o seu sinal.

28. Perguntaram-lhe: Que faremos para praticar as obras de Deus?

29. Respondeu-lhes Jesus: A obra de Deus é esta: que creiais naquele que ele enviou.

30. Perguntaram eles: Que milagre fazes tu, para que o vejamos e creiamos em ti? Qual é a tua obra?

31. Nossos pais comeram o maná no deserto, segundo o que está escrito: Deu-lhes de comer o pão vindo do céu (Sl 77,24).

32. Jesus respondeu-lhes: Em verdade, em verdade vos digo: Moisés não vos deu o pão do céu, mas o meu Pai é quem vos dá o verdadeiro pão do céu;

33. porque o pão de Deus é o pão que desce do céu e dá vida ao mundo.

34. Disseram-lhe: Senhor, dá-nos sempre deste pão!

35. Jesus replicou: Eu sou o pão da vida: aquele que vem a mim não terá fome, e aquele que crê em mim jamais terá sede.

– Palavra da Salvação.
– Glória a vós, Senhor.

“… à sua procura…”

A multidão bem sabia onde encontrar Jesus, e foram até Cafarnaum, às margens do lago de Tiberíades, onde Ele também costumava freqüentar e o encontraram por lá. Depois da experiência maravilhosa que esta multidão vinha tendo com Jesus, pois eles traziam seus enfermos e Ele os curava, diante da falta de alimento, Ele transforma o pouco pão em alimento farto a todos. É natural que a multidão o procure – o que mais se pode desejar, além de saúde e alimentação farta?

Jesus exorta a multidão acerca do verdadeiro motivo que deveria estar por trás da procura a Ele, ou seja, uma comida que dura até a vida eterna. Começa a exortação usando um verbo forte: “trabalhai”. Jesus deseja dizer que é necessário trabalhar para ter a alimentação, mesmo se referindo a alimentação que leva a salvação.

Em um mundo onde os valores terrenos, ligados ao prazer, ao imediato, ao tangível, vem Jesus orienta sobre qual paradigma deve-se trabalhar.

Para conseguir o alimento material, a multidão teve apenas que estar seguindo Jesus e no momento da fome, Ele proveu-lhe de pão, mas o pão da vida eterna, o pão que Jesus mais deseja oferecer aos seus, Ele diz ser necessário trabalhar para obter. Muito oportuna esta exortação, pois temos percebido em alguns setores da igreja, da Renovação e também como parte do mesmo corpo, no MUR, certo arrefecimento, um esfriamento. As pessoas colocam prioridades em muitas coisas antes da missão, antes da verdade espiritual, onde se gera transformação de vida, compromisso pastoral, missionário, serviço, testemunho, dialogo para com a universidade, com os irmãos e assim por diante.

Desejo escrever-lhes como pai e copiar as palavras de Jesus: “trabalhai”.

Coloquem afinco, façam mais que o normal, INTENSIFICAI, FORCEMOS A NOSSA VONTADE, A NOSSA NATUREZA, no sentido de darmos um passo no sentido do que nos solicita Jesus. E então receberemos dele o pão da vida.

Aproxima-se a nossa Semana Nacional de Missão, e exorto-os a buscarmos mais a comunhão, a vida de oração, deixem de reclamar das coisas (muitas vezes coisas simples, pequenas) e trabalhemos para recebermos deste alimento que dura até a vida eterna.

“Meu Pai é quem vos dá o verdadeiro pão do céu”

O crer é uma graça e graça a gente recebe do alto. Então o verdadeiro pão, o verdadeiro alimento, a força para a missão, os dons, a motivação quem nos dará é o Pai. Assim também o verdadeiro pão, ou seja, o pão da vida, o alimento sólido, que é Jesus quem nos dá é o Pai.

O PAI É FONTE DE TODA DÁDIVA, DE TODA GRAÇA. A ELE DEVEMOS RECORRER. DIANTE DAS DIFICULDADES, DESAFIOS,… A ELE DEVEMOS CLAMAR. E NELE CRER E ESPERAR.

Mas não esqueçamos que Jesus já nos exortou “TRABALHAI” ou seja, fazei a vossa parte.

“Dá vida ao mundo”

A palavra de Deus é muito clara, é Jesus, o pão da vida que dá vida ao mundo. Então é natural que tenhamos coragem, ousadia, e até mesmo percamos todo tipo de respeito humano. Todos somos pecadores, temos nossas fragilidades, e devemos então, diante desta graça, acreditar que ELE é quem dá vida ao mundo, portanto é SENHOR, soberano do mundo e pode com certeza resolver estas nossas fragilidades.

Toda realidade de morte que se apresenta entre nós deve ser apresentada ao Rei da vida, e será infeliz o homem, ou mulher, que tentar ancorar-se em outras realidades como fonte de vida, principalmente de vida eterna.

JESUS É O SENHOR DO MUNDO, DE TUDO. E TODAS AS REALIDADES QUE SE SUBMETEM A ESTA VERDADE, SE CREDENCIAM PARA RECEBER A VIDA QUE BROTA DELE.

E a vida proposta, desejada por Jesus é uma vida em plenitude.

Senhor dá-nos sempre deste pão!

Outra coisa bonita e importante nesta reflexão é que se deve saber que a saciedade se apresenta após cada refeição, por isso deve se pedir a Jesus que nos dê sempre deste pão.

O ter SEMPRE do pão da vida, evoca o nosso compromisso de comunhão. Uma alma saciada pelo pão da vida que por si só é alimentada para a eternidade evoca atitudes que perenizam a presença do Deus vivo em nós. E como resposta a essa evocação, pode o crente, o servo principalmente, aquele que tem um ideal de vida cristã mais elevada deve buscar uma maior participação na eucaristia.

“Não terá fome,… jamais terá sede”

Isso é muito mais que uma coca-cola no deserto. A promessa de Jesus a quem o recebe como pão da vida é algo eterno, realmente algo que vem ao encontro do ideal do estudante, do profissional, do perfil da modernidade.

E entende-se bem esta palavra de Jesus, principalmente quem já teve envolvimento com drogas, ou outro tipo de vicio, ou atividades escravizantes, como por exemplo, a prática de esportes radicais. Você se alimenta e não fica saciado, ou seja, precisa fazer novamente e cada vez mais em doses maiores.

Então o que parecia um alimento, uma saciedade, se torna na verdade uma escravidão.

A dependência aumenta a sempre mais.

Ao contrário destas coisas, ao nos encontrarmos com Jesus, o pão da vida através da sua palavra, na comunhão, na partilha entre irmãos, na oração, o nosso coração vai se tornando saciado, envolvido com o sobrenatural e então se percebe que já não mais temos fome e sede dos valores mundanos.

“O Reino dos céus é também semelhante a um tesouro escondido num campo. Um homem o encontra, mas o esconde de novo. E, cheio de alegria, vai, vende tudo o que tem para comprar aquele campo”.1

Reflexão Final

As pessoas “atendidas”, alimentadas, curadas por Jesus não tiveram vergonha, medo de saírem a sua procura. Não tenha medo amado(a), se você já foi salvo, tocado, saciado por Jesus não deixe de sair à sua procura, pois ele se deixa encontrar e com facilidade. Buscai-o enquanto Ele se deixa encontrar.

Crer em quem nos enviou Jesus o pão da vida, é uma graça e isto pode, deve ser pedido ao Pai. Crer é um dom, Deus deseja muito nos dar esta graça.

SENHOR EU CREIO, MAS AUMENTAI A MINHA FÉ!

O verdadeiro pão nos é dado pelo pai e tentar encontrar a nossa felicidade fora do evangelho, da palavra de Deus será sempre a melhor forma de nos enganarmos.

Toda a fonte de vida é Jesus, portanto todas as nossas realidades que estão na morte devem ser submetidas a Jesus, fonte de toda vida e assim VIVEREMOS.

O alimento vivo que nos é dado na eucaristia, desejamos tê-lo sempre entre nós e esta graça a Igreja nos oferece diariamente na Eucaristia. Essa graça é oferecida a nós cristãos/católicos em países cristãos, portanto um privilégio que devemos aproveitar. Nem na terra santa, lugar sagrado onde Jesus viveu esta graça está tão disponível, como a nós em nosso país.

Se ainda temos fome ou sede das coisas da nossa vida passada, antes de Jesus em nossa história, é porque estamos tomando refeição em restaurantes errados, ou bebendo em fontes contaminadas. Quem bebe da água que Eu lhe der jamais voltará a ter sede2, disse Jesus a Samaritana, ou ainda quem comer do meu corpo jamais terá fome.3

VEM ESPÍRITO SANTO, VEM!

1 Cf. Mc 13, 44
2 Cf. Jo 4, 14
3 Cf. Jo 6, 51