Evangelho da Semana (João 20,1-9)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

1No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido tirada do túmulo.

2Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”.

3Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo.

4Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo.

5Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou.

6Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão

7e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte.

8Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu, e acreditou.

9De fato, eles ainda não tinham compreendido a Escritura, segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos.

– Palavra da Salvação.
– Glória a vós, Senhor.

No primeiro dia da semana, primeiro dia da nova criação, primeiro dia dos que abraçaram a fé em Cristo. Este é o dia em que o Sepulcro foi encontrado vazio, a morte foi vencida, “onde está, ó morte, a tua vitória?”(I Co 15,55) nos diz São Paulo. O Catecismo da Igreja Católica diz que o Sepulcro Vazio não constitui em si uma prova direta, mas para todos constitui um sinal essencial.

Maria Madalena esteve ao pé da cruz, acompanhou todo o martírio Daquele que a libertou e a amou de uma forma nova, para ela a espera do primeiro dia da semana foi longa e sofrida. Nem esperou o dia se fazer, mas de madrugada vai e não encontra o Senhor. É a primeira anunciadora do Sepulcro vazio, logo depois Pedro e João correm para constatar não apenas o Sepulcro vazio, mas vê as vestes, o sudário, ainda não entendem, mas como o próprio Evangelista narra no versículo 8, “viu e creu”. A descoberta pelos discípulos foi o primeiro passo para o reconhecimento do próprio fato da Ressurreição, uma vez que, segundo a lei duas deveriam ser as testemunhas (Dt 19,15).

Hoje iniciamos o Tempo Pascoal, a maior festa Cristã. A Ressurreição de Jesus Cristo, este é o maior acontecimento da história, “pelas suas chagas – sua morte – fomos curados”, pela sua ressurreição entrou a Salvação no mundo. A Igreja e todos os fiéis se alegram, cantam as Aleluias deste dia.

Devemos ser como Maria Madalena, que anuncia “O Sepulcro vazio”, como Pedro e João que correm, não tardam para constatar que a Vitória é hoje. O motivo da nossa fé é a alegria de saber que temos uma vida nova em Cristo, naquele que deu a vida para nos salvar, mas ainda mais, “ressuscitaremos também com Ele”.

O desespero cedeu lugar a Esperança, as lágrimas cederam lugar a alegria, “temos um Intercessor junto do Pai, Jesus Cristo, o Justo” (I Jo 2,1b), o luto já não existe mais. É pela Vitória de Cristo que temos a certeza da nossa. Nossos pecados, nossas culpas, ficaram na cruz, é como filhos que passamos a viver. Não viveremos mais na tristeza da sexta-feira da Paixão, mas com a alegria de quem constatou, “O Sepulcro está vazio”, suas vestes, o sudário estavam de lado, o Senhor ressurgiu da morte, temos vida, vida nova em Cristo. Passamos da morte para a vida, do sepulcro para a alegria da Ressurreição.

Esta é a nossa fé, esta é a nossa alegria, esta é a Páscoa do Senhor, com ela já somos vitoriosos.

Feliz páscoa! Jesus Ressuscitou!