O Banquete da Vida

O olhar de Deus sobre a história humana é sempre um olhar de esperança. O coração de Deus é tecido com músculos replenos do ágape que jorra incessante em direção à obra criadora. O colírio da fé purifica nossos olhos e nos dá uma abordagem alvissareira do futuro da humanidade. Nossa mística é o aprendizado da pedagogia divina.

Olhemos com esperança para o novo ano que abre as cortinas de novas oportunidades. Tudo só continuaria a mesma coisa se nos acomodássemos. Se nos deixarmos contagiar pelo espírito de partilha descobriremos claramente o que nos realiza como seres humanos. O altruísmo é a elucidação do projeto de Deus para nós. Uma comerciária certa vez me disse: “Em meu trabalho, durante o ano inteiro, cada funcionário cede uma parcela de seu salário para formar mensalmente cestas básicas que socorrem pessoas desempregadas”. Este testemunho demonstra consciência da extensão dos problemas sociais.

A cidadania é o despertador que libertou tanta gente da sonolência do indiferentismo. Tem feito o povo reconhecer que não basta amparar as goteiras. É preciso consertar o telhado estragado. Este novo ano é tempo propício para uma boa reforma na cobertura, pois serão realizadas eleições para a Presidência da República, Senado, Câmara Federal, Governo Estadual e Assembléia Legislativa. Quem sabe todos perceberão que nossas escolhas têm a ver com o empobrecimento da população, a indigência e a mendicância? Enfim, tem a ver com o próprio orçamento familiar, as políticas públicas e tudo o que pode mudar este País?

E a Copa do Mundo?

O Campeonato Mundial de Futebol ocasiona o congraçamento entre os povos, valorizando a vida saudável. Tendo alcançado o pentacampeonato em 2002; permitido a Itália chegar ao mesmo patamar em 2006, agora o Brasil entra no ritmo da vibração em busca do “EXA”. A mesma cidadania que nos veste de verde e amarelo para torcer pela vitória deverá ajudar-nos a ficar atentos aos candidatos em campanha eleitoral. A coincidência dos eventos não nos impedirá de votar no Brasil que queremos. O foco voltado para as seleções e, de modo especial, a nossa é claro, não há de ser o ópio da população. Ninguém pense que ficará mais fácil para continuar empurrando “goela a dentro” a intragável metodologia de condução desta nossa Pátria pouco amada pelos que vilipendiam suas riquezas, sucateando seus recursos naturais, empregando mal do dinheiro público.

Quem sabe este novo ano desponte no horizonte com um recado de cidadania? Quem sabe o Brasil priorize a pessoa humana em lugar da economia de mercado? Quem sabe o despertar da solidariedade nos ajude na construção da unidade em torno de quem acredita na vida? Os que doaram uma cesta de Natal ou um brinquedo, para fazer sorrir uma criança, ainda podem mudar este País, pois acreditam e apreciam a vida. Não perderam o encanto com a mais preciosa riqueza que possuímos: nós mesmos.

Não há obstáculo que possa deter a força do amor. A inteligência, por vezes, se coloca a serviço de interesses paralelos à vida plena. Com o amor é diferente. Quem ama não faz guerra, não agride o meio ambiente com especulação imobiliária e outros, nem terrorismo oriundo de fanatismo religioso ou poderio econômico. Santo Agostinho disse: “Ama e fazes o que queres”. Quem ama acerta o caminho da vida e é solidário. Os que se abrem ao amor de Deus poderão fazer deste novo ano O BANQUETE DA VIDA!