Onde reina o amor, Deus aí está

“Chegada que foi a hora, Jesus pôs-se à mesa, e com ele os apóstolos. Disse-lhes: – Tenho desejado ardentemente comer convosco esta Páscoa, antes de sofrer.” (Lc 22, 14-15). Essa expressão de Jesus se deu em um ambiente de profunda intimidade com aqueles que ele escolheu para serem não mais servos, mas seus amigos (João 15,15).

Encanta-me pensar na intensidade destas palavras; o nosso bom mestre expressando o desejo ardente de estar pela última vez com aqueles que ele escolheu e que, mais que quaisquer outros, puderam estar em intimidade com Ele.

Laços de amor concretos que não se abalaram mesmo com a traição, porque o traidor também estava à mesa e também era desejada a sua presença naquele lugar.

Jesus o bom mestre não é somente um Deus forte e onipotente, Ele é um Deus que expressou concretamente a nossa humanidade, de forma espetacular e sem meias palavras ou máscaras. Ele também sentia nossas dores humanas e também amava com amor humano, por isso mesmo derramou lágrimas de compaixão (Lc 19,41). Imagino que gostava de ficar na casa de Marta, Maria e Lázaro para falar das coisas do Pai, repartir o pão e saber se tudo estava bem por lá. (Lc 10,38) Além de sempre fazer visitas; como por exemplo a casa de Pedro onde curou a sua sogra. (Mt 8,14) Teve também o jantar na casa de Zaqueu (Lc 19,5) e tantas outras situações em que expressava laços cotidianos de amor.

Ao olhar para a humanidade do nosso Deus, somos convidados a pensar em nossa maneira de viver a vida com os irmãos, ou seja, será que desejamos ardentemente cear com aqueles que caminham conosco? Será que aceitamos e amamos aqueles que são traidores, prostituídos, hipócritas, ladrões? Como vivenciamos o nosso convite de sermos cristãos autênticos no seguimento Daquele que também nos chama?

Não nos deixemos enganar, não somos deuses para, com tanta contrição, agir como Jesus agiu, mas somos filhos de Deus e convidados a viver como cristãos. Portanto, se o bom mestre agia assim com expressões humanas, nós também conseguiremos, pois em nós abunda a graça de Deus.

O que acontece é que estamos tão fixados em nossas coisas que não encontramos tempo para cear com os irmãos, que dirá então, cear com Jesus na oração. É por este motivo que encontramos buracos imensos de desamor em toda parte do planeta, não desejamos ardentemente uma vida de intimidade, nunca temos tempo e muito menos vontade.

Por vezes reclamamos a falta de amor e atenção, adoecemos, agimos com violência e furor, para que assim o outro possa enxerga que também temos no coração um desejo enorme de ser olhado, amado e desejado.

Acredito que naquela ceia havia um clima de puro amor, humano e divino, se encontrando na emoção de corações em profunda intimidade. Tanto que era permitido até mesmo recostar a cabeça no peito do bom Mestre (Jo 13,23).

Homens tão diferentes, com intenções distintas e atitudes das mais variadas, reunidos para aprenderem a se amar, lavar os pés uns dos outros com resignação (Jo 13,5), porque onde reina o amor, Deus aí está.

Peçamos ao bom Mestre que nos retire de nós mesmos, que em primeiro lugar tenhamos o desejo de cear com Ele sempre. Assim aprendendo do Seu coração, que possamos também preparar sempre mais a mesa da nossa casa para que também aqueles que nos conhecem possam se alimentar da nossa presença; porque mais que o pão partido, ali se achava vida repartida e experimentada e por isso mesmo foi possível contar segredos, mesmo os mais dolorosos, afinal, Jesus ia partir para o Pai deixando a suprema lição: “deveis amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo” (Mt 22,38).

Que não seja preciso adoecer ou qualquer outra situação para estarmos juntos, Jesus disse, vai e faça o mesmo porque não lhes chamo servos, mas amigo. (João 15,15)