Palavra da Coordenação – RCC Viçosa: Agosto de 2019

Hoje gostaria de dividir com vocês uma pequena expressão que tem me acompanhado, ultimamente, e algumas reflexões advindas dessa experiência.

De maneira especial, no último mês, diante de diversas situações vividas, me peguei pensando/rezando com a seguinte expressão: “Espírito Santo, luz para os meus olhos”. Então, se seguia o pensamento: como é desafiador, no trabalho, família, relacionamentos, coordenações, estudos, enfim, no caminhar da vida, termos a sensibilidade e o discernimento para enxergar e saber por onde andar. Qual o melhor caminho num dado momento? Qual a melhor escolha, a melhor resposta?

Confesso que, em alguns desses momentos, almejei ver “uma plaquinha” ou ouvir em alto e bom som: “O caminho é por ali”! Entretanto, reconheço que, por mais confortável que possa ser pensar nessa possibilidade, as experiências tem me ensinado que essa Presença tão almejada, encontra-se, de fato, no meio de nós, porém, além de ter uma voz baixinha e discreta, muitas vezes, nos chega por vias pouco comuns.

Certo é que Deus nos orienta, ora por meio de Sua Palavra, pelos ensinamentos da Igreja, nos momentos de oração (pessoal ou comunitária), ou em outras vezes, de maneira profundamente dinâmica e criativa. Nessas horas, creio que Ele vem até nós por meio de uma inspiração ou música, por alguém desconhecido que “esbarramos” na rua, por um amigo, pela natureza, dentre tantas outras vias.

Assim sendo, diante de tamanhas possibilidades para ouvir e perceber Deus em nosso caminho penso que podemos, sim, suspirar e rezar durante o dia: “Espirito Santo, luz para os meus olhos”, com um profundo e sincero desejo de que Ele, que tudo sonda e conhece nos permita ver, também por onde andar. Que, assim como o salmista, aprendamos a rezar: “Senhor, mostrai-me os vossos caminhos e ensinai-me as vossas veredas” (Sl 24, 4).

Contudo, reconheço também que se faz necessário treinar, pela oração, os nossos olhos, ouvidos e todos os outros sentidos para que estejam sensíveis e atentos à voz e à luz de Deus, em meio ao cotidiano da vida. Mas, estejamos certos de que Ele é fiel e jamais nos deixará no escuro e/ou confundidos, abandonados à nossa própria sorte, ao contrário virá, com certeza, ao nosso encontro e nos iluminará com Sua luz.

Claudete de Freitas
Coordenadora da RCC Viçosa