Evangelho da Semana (João 3,16-18)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!


16Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. 17De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele.

18Quem nele crê, não é condenado, mas quem não crê, já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho unigênito.

– Palavra da Salvação.
– Glória a vós, Senhor.

O Evangelho de hoje, contem apenas 2 versículos, mas uma profundidade que nos permite crescer muito na fé e no Amor à Deus e ao proximo!

A frase de introdução “Deus amou tanto o mundo”, é daquelas frases que tira nossa distração e insita a vontade de continuar a leitura. Onde São João quer chegar, começando a frase com essa afirmação? Eu diria que ele quer mostrar que Deus é Amor e não pode fazer outra coisa que amar e amar muito (Ele tanto amou…), que o mundo é precioso para Ele, que Ele se importa com sua criatura de uma maneira muito especial: amando-a!

E esse amor é ativo, é amor que age, que comunica, que avança… como bem podemos ver na segunda frase “que deu o seu Filho unigenito, para que… tenha a vida eterna”. Ele dá o que há de mais precioso para nos garantir o melhor, simplesmente para que não continuemos perdidos, solitários, morrendo pelo caminho, mas para que cheguemos sãos e salvos ao lugar que Ele preparou para cada um de nós (e se o mundo em que vivemos é tão belo, imaginem como deve ser o Paraíso).

Mas, para receber tudo isso é preciso acreditar, crer n’Ele, no Seu amor e sobretudo nesta comunhão entre o Pai e o Filho que é tão forte e mesmo capaz de transformar nossa vida. Porque se há algo que pode nos mudar bruscamente, isso se chama Amor!

E esta comunhão entre o Pai e o Filho chama a atenção também para a nossa comunhão uns com os outros. Muitas pessoas não acreditam em Deus, nesse Amor vivaz; não acreditam em Jesus, como filho amado do Pai e que morreu para nos salvar. Muitos ainda são perseguidos porque crêem e vivem a fé no Cristo. Eu tive a chance de ouvir, nesta festa da Santissima Trindade, o testemunho de um libanes, o padre Samer Nassif, que faz parte de uma associação de ajdua a catolicos perseguidos da igreja do oriente (AED – Aide à l’Eglise en Detresse). Ele falou de lugares onde as pessoas são proibidas de celebrar, de porter uma cruz e mesmo de ter uma biblia em casa, sob pena de prisão ou até de morte. E deu alguns detalhes do massacre ocorrido em Bagdad em 2010, quando uma Igreja foi tomada por terroristas em plena missa, matando padres e fieis!

Essas coisas se passam longe de nos fisicamente (se bem que não podemos esquecer dos padres e bispos brasileiros que devem andar sob escolta, por serem ameaçados de morte), mas como filhos de Deus, como cristãos e comunidade Catolica eu diria aue essas coisas acontecem conosco… somos nos os perseguidos… é o nosso sangue que é demarrado, simplesmente porque cremos.

Que nossa oração seja dirigida ao nosso Deus de Amor, para que O Espirito Santo nos ajude a persistir na fé. Para que a verdade do Evangelho seja anunciadaa todos. E de maneira especial, rezemos pelos cristãos perseguidos… que nossa oração seja capaz de alcança-los… que possamos rezar o terço em comunidade, estudar a Palavra, celebrar a Eucaristia por cada um que é proibido de faze-lo. Que pela Comunhão dos Santos sejamos unidos e a misericordia de Deus seja consolo para os corações angustiados.

“ Te amar, por quem não te ama
Te adorar, por quem não te adora
Esperar, por quem não espera em ti
Pelos que não creem, eu estou aqui”