Evangelho da Semana (Lucas 17,11-19)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!


11Aconteceu que, caminhando para Jerusalém, Jesus passava entre a Samaria e a Galileia. 12Quando estava para entrar num povoado, dez leprosos vieram ao seu encontro. Pararam à distância, 13e gritaram: “Jesus, Mestre, tem compaixão de nós!”

14Ao vê-los, Jesus disse: “Ide apresentar-vos aos sacerdotes”.
Enquanto caminhavam, aconteceu que ficaram curados. 15Um deles, ao perceber que estava curado, voltou glorificando a Deus em alta voz; 16atirou-se aos pés de Jesus, com o rosto por terra, e lhe agradeceu. E este era um samaritano.
17Então Jesus lhe perguntou: “Não foram dez os curados? E os outros nove, onde estão? 18Não houve quem voltasse para dar glória a Deus, a não ser este estrangeiro?” 19E disse-lhe: “Levanta-te e vai! Tua fé te salvou”.

– Palavra da Salvação.
– Glória a vós, Senhor.

Celebração Eucaristia = ação de graças a Deus!!! É o momento por excelência de agradecermos a Deus pelas suas obras no meio de nós!!!

Caríssimos irmãos e irmãs, neste evangelho podemos contemplar Jesus que vai para Jerusalém, para o centro político, econômico e ideológico de sua época, onde Ele seria condenado e morto. Mas, o caminho para chegar lá passava por Samaria e Galileia… só para lembrar, foi na Samaria que Jesus encontrou com uma mulher na beira do poço de Jacó e a pediu água e a mulher lhe respondeu: “Sendo tu judeu, como pedes de beber a mim, que sou samaritana?” (Jo 4,9) . Com isso podemos lembrar que Samaritanos não faziam parte do “povo de Moises”, com quem Deus firmou sua aliança (Ex34). Já a Galileia, me lembra onde se passou o primeiro milagre de Jesus (Jo 2, 1-12). São lugares, que figuram um mundo cheio de misturas, que vive muitas vezes longe de Deus. Mas é uma terra fértil, e que precisa então ser trabalhada, para que produza frutos de vida. E, claro que Jesus passando por lá (como em todos os lugares por onde Ele passou), Ele semeou a vida.

A fama de Jesus já tinha se espalhado, então aquele grupo de leprosos, sabendo que Jesus passava por ali, foi ao seu encontro. A lepra era uma doença que exclui as pessoas, os leprosos tinham que viver longe de todos, a lepra vai deformando a pele, então imagino o quanto sofriam de dor e de tristeza, de solidão e ainda para piorar a humilhação eles eram obrigados a andar com um sininho para avisar que tinha um leproso ali por perto. Mas, esses leprosos viram uma luz no fim do túnel… sabendo que Jesus entrava na cidade, se voltaram a Ele e gritaram rogando compaixão! E Jesus apenas disse: “Ide apresentar-vos aos sacerdotes”(v.14).

Hoje, Samaria e Galileia, são bem representadas pelo nosso mundo atual, cheio de misturas, de gente excluída, pessoas que se acham melhores que outras, etc. Mas, uma terra fértil, por onde Jesus passa, na pessoas dos nossos missionários, das nossas paróquias e suas atividades de evangelização, das novas comunidades, por meio de famílias cristãs, que semeiam o amor na igreja de base que são seus seu lares. E a lepra é o pecado, que nos exclui do Plano de Amor de Deus, que nos deforma (pois fomos criados à Imagem e Semelhança de Deus), que nos desencoraja de seguir o caminho certo, que nos paralisa.

E com os leprosos do evangelho de hoje, aprendemos muito, porque eles se voltaram ao Senhor, e nós também, precisamos nos voltar Àquele que é o único que pode mudar nossa vida. E eles gritaram: “Jesus, Mestre, tem compaixão de nós” (v.13). E, quando mergulhados no pecado ou em tantas outras dores que nos assaltam nos tempos de hoje, devemos sim olhar para o Mestre, reconhecê-lo como tal, e clamar sua compaixão! Mas, é preciso, reconhecer que não somos nada… apresentando-nos ao Senhor com humildade. Os leprosos bem sabiam que eram leprosos, estava na carne deles, mas muitas vezes não reconhecemos os nossos pecados, porque em um primeiro momento nossos pecados, não cheiram mal, não parece feio, não nos afastam das pessoas, até nos aproxima, não é? Mas, não devemos esperar as conseqüências, porque pode ser tarde demais e São Paulo já dizia que “o salário do pecado é a morte”. Mas, é gritar mesmo… bater no peito e dizer eu pequei, mas tenha compaixão de mim Senhor…. Sozinho eu não dou conta mais de viver essa situação (essa doença, a dor da traição, o desemprego, a separação…), tenha compaixão de mim Senhor! E depois disso basta confiar… não precisa esperar manifestações extraordinárias… Jesus nem se aproximou daqueles leprosos, não os tocou, não disse palavras que tocassem aqueles homens, sobre a vida, o passado deles… não fez nada de incomum… Ele só disse para eles irem e se apresentarem ao sacerdote (que era quem constatava que eles estavam curados da lepra).

E o mais importante além de confiar é de agradecer, reconhecer o poderio do Senhor, agradecendo-o!!!! O samaritano que voltou para agradecer o Senhor pela sua cura recebeu não só a cura da lepra, mas também a salvação, “porque é gratuitamente que fostes salvos mediante a fé” (Ef 2,8). O louvor daquele homem não mudou em nada a grandeza do Senhor com não mudaria se os dez voltassem para agradecer a Deus, mas o fato de gritar exprimindo seu reconhecimento ao Amor de Deus (da mesma forma que gritou para pedir a cura), o fato de se prostrar diante do Todo Poderoso, transformou sim a vida daquele homem para sempre. Ele não só voltava ao convívio social, mas ele agora voltava aos braços do Seu Criador, porque é de Deus que viemos e é por Ele que nossa alma anseia, dia e noite sem cessar!

Caríssimos, tenhamos uma semana abençoada… Que Nossa Senhora Aparecida nos abençoe, abençoes nossas crianças, abençoe e interceda nossa pátria amada, o Brasil!!!