Evangelho da Semana (Lucas 9,28b-36)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, Jesus levou consigo Pedro, João e Tiago, e subiu à montanha para rezar. 29Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante.

Eis que dois homens estavam conversando com Jesus: eram Moisés e Elias. Eles apareceram revestidos de glória e conversavam sobre a morte, que Jesus iria sofrer em Jerusalém.

Pedro e os companheiros estavam com muito sono. Ao despertarem, viram a glória de Jesus e os dois homens que estavam com ele.

E, quando estes dois homens se iam afastando, Pedro disse a Jesus: “Mestre, é bom estarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Pedro não sabia o que estava dizendo.

Ele estava ainda falando, quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra. Os discípulos ficaram com medo ao entrarem dentro da nuvem.

Da nuvem, porém, saiu uma voz que dizia: “Este é o meu Filho, o Escolhido. Escutai o que ele diz!”

Enquanto a voz ressoava, Jesus encontrou-se sozinho. Os discípulos ficaram calados e naqueles dias não contaram a ninguém nada do que tinham visto.

– Palavra da Salvação.
– Glória a vós, Senhor.

A transfiguração foi um meio usado por Jesus para convencer os apóstolos a crer e confiar Nele, confirmando-os na fé. Os apóstolos conviveram com Jesus, mas a rotina da vida lhes impedia de ver em profundidade a pessoa Dele.

Como os apóstolos, estamos habituados à nossa vida diária, à sucessão de episódios, à rotina da fé, às nossas orações muitas vezes superficiais, a uma existência sem emoção e sem uma busca perseverante de intimidade com Deus.

Precisamos, pois, assumir para nós o convite feito por Jesus a seus amigos Pedro, João e Tiago, a fim de subir ao monte para orar.

É colocando-nos no monte, acima de nossos projetos humanos, comodismos, medos e desconfiança – e acordados, de olhos bem abertos para as realidades espirituais – que assumiremos a nossa condição de filhos eleitos pelo Pai para uma vida de bênçãos, paz e alegria, diferente daquilo que o mundo oferece.

Toda pessoa é uma expressão concreta do amor de Deus. Toda criatura humana é filha de Deus, e, para todos, Cristo é a luz que ilumina cada coração humano. Na oração, abrimos o nosso coração como tenda para morada do Senhor, e, assim, ele mesmo vai nos transfigurando, restaurando em nós a imagem e semelhança de Deus, deformada pelo pecado.

Que o nosso coração seja uma tenda para o Senhor. Que Ele nos ajude a identificar e expulsar as visitas indesejáveis do pecado que, inúmeras vezes, se alojam nesta tenda, impedindo a manifestação da glória de Deus. E que os nossos ouvidos se abram para escutar a voz do Senhor dizendo, com carinho, a cada um de nós: “este é o meu filho muito amado”.