Evangelho da Semana (Mateus 14,22-33)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Depois da multiplicação dos pães, 22Jesus mandou que os discípulos entrassem na barca e seguissem, à sua frente, para o outro lado do mar, enquanto ele despediria as multidões.
23Depois de despedi-las, Jesus subiu ao monte, para orar a sós. A noite chegou, e Jesus continuava ali, sozinho.

24A barca, porém, já longe da terra, era agitada pelas ondas, pois o vento era contrário.
25Pelas três horas da manhã, Jesus veio até os discípulos, andando sobre o mar.
26Quando os discípulos o avistaram, andando sobre o mar, ficaram apavorados, e disseram: “É um fantasma”. E gritaram de medo.
27Jesus, porém, logo lhes disse: “Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!”
28Então Pedro lhe disse: “Senhor, se és tu, manda-me ir ao teu encontro, caminhando sobre a água”.
29E Jesus respondeu: “Vem!” Pedro desceu da barca e começou a andar sobre a água, em direção a Jesus. 30Mas, quando sentiu o vento, ficou com medo e, começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!”

31Jesus logo estendeu a mão, segurou Pedro, e lhe disse: “Homem fraco na fé, por que duvidaste?”
32Assim que subiram no barco, o vento se acalmou.
33Os que estavam no barco prostraram-se diante dele, dizendo: “Verdadeiramente, tu és o Filho de Deus!”

– Palavra da Salvação.
– Glória a vós, Senhor.

Convido você, nesta semana, a pararmos e refletirmos um pouco sobre a grandeza e beleza deste Evangelho. Por meio dele, podemos e somos convidados por Deus a tirar cinco lições para a nossa vida. A primeira é que o mesmo Deus poderoso que já nos socorreu e nos livrou de tantas situações no passado pode fazer o mesmo pelas situações que vivenciamos hoje ou viveremos no futuro. Por que digo isto? Falo, por que a primeira frase do evangelho é “Depois da multiplicação dos pães,…”. Ou seja, os discípulos já haviam vivido um enorme milagre e intervenção de Jesus e tinham exata noção do poder e alcance d’Ele. A segunda lição é: precisamos ter um tempo de oração só nosso com Deus. Devemos propiciar momentos de deserto para que nossa alma possa estar descansada em Deus. A palavra nos diz: “Jesus subiu ao monte, para orar a sós”.

Continuando o raciocínio, vamos para a terceira lição: temos de nadar contra a correnteza e assumir que ser de Deus é, em muitos momentos, estar numa barca agitada pelas ondas em um vento contrário, já que em determinadas situações de nossa vida teremos de afirmar e lutar com todas as forças pra que a vontade de Deus seja feita ainda que contrarie o modo de pensar imediatista e racionalista do mundo em que vivemos. Ser de Deus significará, em dadas circunstâncias, ter os pés no chão sim, pois isto é essencial, mas ter a nossa cabeça no Céu.

As duas últimas lições nos remetem ao amor e cuidado de Deus, isto é, precisamos confiar que Deus sempre estará em nosso favor e pronto pra nos defender e auxiliar, basta clamar. Isto pode ser visto: primeiro, quando os discípulos assustados gritaram de medo achando que era um fantasma e Jesus logo os socorreu falando que não precisavam ter medo, pois era Ele ali presente. E depois, num último momento, quando Pedro, ainda que com medo, teve a coragem de dar o primeiro passo, acreditando que Jesus o salvaria. Conosco não deve ser diferente, precisamos também ter a coragem de dar o primeiro passo, pois Jesus nos socorrerá… Ele nunca abandona os seus!

Bom, diante destas percepções, te convido meu irmão a rezarmos juntos e analisarmos a nossa vida. Em que estas lições podem se encaixar no meu e no seu dia a dia?

Boa reflexão e até o próximo encontro!