Fidelidade, sinônimo de amor

A fidelidade que é tema de poesias e poemas, cantada por muitos em suas músicas e elemento essencial e fundamental em qualquer relacionamento não pode ser entendida simplesmente como o ato de não trair o outro com uma terceira pessoa. Deve ser entendida em seu sentido pleno. E é justamente sobre isso que vamos conversar por uns instantes.

Quando pensamos em fidelidade, logo vem à mente as diversas situações de traição que já ouvimos falar ou que de certa forma pudemos testemunhar, e por este motivo acabamos reduzindo o sentido da palavra e não pensando em tudo o mais que ela pode significar. Ou seja, o que significa na minha vida ser fiel ao outro? Qual comportamento e postura devo ter diante das pequenas situações do dia a dia? Amar verdadeiramente está implicitamente ligado a ser fiel ou não. Como dizer que sei amar o outro se não consigo ser fiel? Seja esta pessoa a minha esposa (esposo) ou os meus filhos? Vejo a fidelidade como um compromisso de amor e respeito assumido, não só no matrimônio, mas também na vida de namorados e noivos, para proteger e enriquecer a relação com quem amamos. Isso deve ser feito, para que haja respeito à dignidade e integridade do outro, uma vez que só assim pode-se garantir uma relação estável e um ambiente confortável e agradável.

Ser fiel é saber respeitar o outro, entendê-lo e amá-lo como ele é, procurando ajudá-lo a ser melhor. Ser fiel é olhar para a limitação do outro e ajudá-lo a vencê-la. Ser fiel é um desafio que precisa ser vencido todos os dias nas mínimas atitudes. Ser fiel é estar ao lado do outro quando as coisas vão bem ou quando tudo está dando errado.

Diferente do que muitas pessoas acreditam, a fidelidade não é uma algema, é sim uma livre ação e escolha de amor. Entendendo isto, posso dizer que vivendo na fidelidade, o relacionamento possui várias características que auxiliam a vivência do dia a dia. Por exemplo: o casal discute suas decisões em conjunto; um auxilia o outro no dia a dia; confortam-se mutuamente quando há momentos de inquietação ou preocupação no trabalho; procuram se conquistar diariamente fazendo pequeninos agrados, cuidam um do outro entendendo a sua necessidade e principalmente respeitam-se como homem e mulher, entendendo as suas diferenças.

Por outro lado, acredito que o oposto da fidelidade é o egoísmo, o pensar em si somente o tempo todo, e isso, posso afirmar que é um perigo para qualquer relacionamento, uma vez que temos certa tendência a buscar o que é mais fácil, a nos deixar levar por aparências e superficialidades, ou até mesmo nos perdermos buscando somente o prazer imediato.

Ser fiel não é fácil, dá trabalho sim! Mas é uma escolha, uma decisão diária. Sabemos que em uma relação, à medida que o tempo passa e que a relação vai amadurecendo, surgem também desencontros, aborrecimentos do dia a dia. Nestas horas, devemos avaliar e pensar com muito cuidado tudo o que passa por nossa cabeça. Penso que nestes momentos devemos dialogar com o outro e buscar chegar sempre a uma conclusão sobre qualquer acontecimento. Vencer o egoísmo, o prazer superficial e a comodidade com uma conduta firmada no amor mútuo e voltada para a fé em Deus garantirá nosso crescimento pessoal e também o amadurecimento e solidez da relação do casal.

Bom, é isto. Sendo fiéis assim, somos muito mais felizes e acabamos por compartilhar alegrias, tristezas, vitórias, fracassos, planos e tudo o mais que nos rodeia durante a vida. E só assim é possível fazer com que o relacionamento dure anos a fim e, sobretudo, com muito amor e fidelidade.

Um comentário

Deixe um comentário para PadreMARCOS ANTONIO RODRIGUES CARVALHO Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.