História de São Francisco de Assis

Nascido em Assis, província da Úmbria no centro da Itália, entre 1181 e 1182, seus pais se chamavam Pedro Bernardone e Dona Pica Bernardone.

Seu pai era um rico comerciante de tecidos que viajava muito para negócios, principalmente para a França de onde trouxe Dona Pica. Francisco tinha uma relação muito especial com sua mãe e também uma ligação espiritual com Maria, mãe de Jesus, o que demonstrava um sinal de carinho e amor por todas as mães do mundo.

Francisco também tinha carinho pelo seu pai, mas não foi uma convivência de exemplo, de onde gerou episódios desagradáveis. Tinha um irmão que pouco se viu falar durante a sua história de vida.

Francisco nasceu no estábulo junto aos animais, onde recebeu o nome de João (Giovanni), mas seu pai ao chegar em casa resolveu mudar seu nome para Francisco em homenagem a França.

Francisco era o líder da juventude da sua época, gostava de músicas e de festas, adorava fazer banquetes e serenatas paras as belas damas de sua cidade. Com muito dinheiro para gastar tornou-se ídolo dos seus companheiros.

Naquela época a Itália estava passando por um período de conflitos, onde estavam passando do sistema feudal para o sistema burguês com o surgimento das comunas livres (pequenas cidades), assim eram freqüentes as guerras e batalhas entre os senhores feudais e as comunas.

Francisco além da fortuna, desejava também o título de nobreza, mas para isso seria necessário tornar-se herói em uma dessas guerras. Incentivado pelo seu pai que também desejava a fama e o título de nobreza, em 1201 Francisco partiu para mais uma batalha, onde os senhores feudais tinha declarado guerra contra a Comuna de Assis.

Durante um combate, Francisco foi preso e levado para a prisão de Perúsia onde permaneceu vários meses. Como ele era um jovem cheio de vida este período como prisioneiro deve ter sido doloroso, mas ele era muito alegre, descontraído e gostava de música, isso fez com que ele se livrasse do desespero, e ainda conseguia animar seus colegas de prisão.

Francisco dizia em tom de brincadeira a seus companheiros: “Como quereis que eu fique triste, sabendo que grandes coisas me esperam? O mundo inteiro ainda falará de mim!”.

Depois de um ano como prisioneiro, Francisco foi solto, voltando para Assis, entregou-se novamente aos divertimentos da juventude e para os negócios do pai.

O clima ruim na prisão e os prolongados meses de inverno, fizeram enfraquecer o seu organismo e provocou uma grave doença. Depois de muito tempo de enfermidade e deitado em uma cama, Francisco se recuperou e ao levantar-se sentiu que estava diferente, não era o mesmo Francisco, não sabia o que estava acontecendo, mas percebia que ele não era o mesmo. O tempo na prisão somado ao enfraquecimento da doença é que provocaram esta mudança. Foi o caminho que Deus escolheu para entrar na sua vida. Francisco não sentia mais prazer nos banquetes e diversões com seus amigos, começou a perceber a leviandade dos prazeres terrenos, mas ainda não buscava a Deus e aspirava pela fama e pelo título de nobreza conseguidos nos campos de batalha.

Aos vinte anos, apoiado pelo pai alistou-se no exército de Gualtieri de Brienne que combatia pelo Papa Inocêncio III na defesa dos interesses da igreja. Antes de partir num ato de generosidade Francisco doou à um amigo mais pobre seus ricos trajes e uma armadura caríssima que havia preparado para si. Francisco teve um sonho muito estranho, sonhou com um castelo cheio de armas que estava reservado para si e para seus companheiros. Ele não entendeu o sonho, mas achava que significava que ele seria um famoso guerreiro, mas o sonhou não saía da sua cabeça.

Ao chegar em Espoleto, Deus tornou a lhe chamar em sonhos, só que agora com mais clareza, onde uma voz lhe perguntava a quem ele queria servir, ao servo ou ao Senhor. Francisco rapidamente respondeu que queria servir ao Senhor, então Deus lhe falou pra ele voltar à Assis, e que lá seria dito o que ele realmente deveria fazer. Francisco então percebeu que ele estava buscando apenas a glória humana e passageira, e defendendo a vontade de pessoas mesquinhas e ambiciosas e não a vontade do Senhor.

Voltou então para Assis, onde teve que desafiar a fúria do pai e o desdém dos vizinhos, dando prova da energia do seu caráter e do valor do seu ânimo, virtudes que se mostrariam valiosas mais tardes. Francisco passou então a questionar: “O que Deus quer de mim? O que Ele quer que eu faça?”. Ele passou a procurar lugares mais tranqüilos onde ele poderia orar e meditar, esperando a resposta de Deus e para acalmar sua inquietação. A verdade é que agora ele enxergava as coisas com outros olhos e outro coração.

Continua…

2 comentários

  1. São Francisco de Assis, homem verdadeiro de Deus!!

    Graças a Deus que a verdadeira igreja, tem interssessores no céu……

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.