João Paulo II: Alegria dos poloneses por avanço no processo de beatificação

Os católicos poloneses celebraram, com satisfação e alegria, a assinatura do decreto das virtudes heróicas do Papa João Paulo II e o reconhecimento do martírio do sacerdote polonês padre Jerzy Popieluszko, ambos firmados nesta sábado, 19, por Bento XVI.

“É uma grande satisfação e uma grande alegria”, disse à imprensa o sacerdote Slawomir Oder, postulador da causa de beatificação de João Paulo II.

A propósito dos decretos, o prefeito da Congregação das Causas dos Santos, Arcebispo Angelo Amato recordou, em entrevista à Rádio Vaticano, que “o funeral de João Paulo II foi um dos eventos mais incisivos e envolventes dos últimos anos, mostrando uma profunda adesão à sua pessoa e à sua mensagem, em nível mundial”.

“Sua fama de santidade, comprovada por uma participação jamais vista nos últimos momentos de sua existência terrena, deu início ao processo de beatificação e de canonização. Esta fama de santidade, tão relevante e extensa, convenceu Bento XVI a iniciar após dois meses o itinerário, dispensando o período de cinco anos de espera necessário depois da morte. Para evitar qualquer equívoco, aproveito a ocasião para precisar que o procedimento foi plenamente observado com o tradicional rigor, sem qualquer exceção: tratou-se simplesmente de um percurso preferencial”, afirmou Dom Amato.

Sacerdote polonês

Ontem, Bento XVI autorizou o reconhecimento do martírio do sacerdote polonês Jerzy Popiełuszko, assassinado em 1984 durante o regime comunista. A mensagem do Popieluszko, que em breve será bem-aventurado, é mais do que nunca atual, principalmente para os jovens, como destaca Dom Amato:

“Padre Popiełuszko tem muito a dizer sobretudo aos jovens. O seu testemunho é um convite a não conformar-se à mediocridade, a não adequar às modas correntes, a não confiar nos paraísos artificiais, mas a buscar valores autênticos em torno dos quais estruturar a existência. A fé em Cristo é capaz de gerar uma força tal a resistir também diante das insídias, dos sofrimentos e até mesmo das perseguições, e de nos projetar rumo a uma horizonte de vida plenamente realizada.”

Pio XII

Bento XVI também reconheceu as virtudes heróicas do Papa Pio XII. Precursor do Concílio Vaticano II, Papa Eugenio Pacelli defendeu a causa da paz nos anos da II Guerra Mundial.

“Papa Pacelli consolou refugiados e perseguidos, enxugou lágrimas de dor e chorou as inúmeras vítimas da guerra. Agiu muitas vezes de modo secreto e silencioso, justamente porque, à luz das concretas situações daquele complexo momento histórico, intuiu que somente daquela maneira se podia evitar o pior e salvar o maior número possível de judeus”, assim o recordou Bento XVI, na homilia pelos 50 anos de sua morte.

Na lista dos decretos aprovados ontem pelo Papa, há também algumas figuras femininas de relevo. Uma delas é a bem-aventurada australiana Mary MacKillop, que viveu no século XIX e que agora será canonizada. A sua figura é um símbolo de resgate social e de promoção humana.

Outra figura extraordinária é a de Mary Ward, de quem foram reconhecidas as virtudes heróicas. Ela lutou na Inglaterra, no século 17, entre muitas dificuldades, para promover os direitos das mulheres.
Fontes: Rádio do Vaticano e www.cancaonova.com