Ano novo… caminho velho?

Oi gente! Eis que encerramos mais um mês e, desta vez, com ele encerra-se também o ano civil. Com o coração agradecido pelo ano findado, louvamos a Deus por ter estado conosco e nos sustentado durante todo ele; assim, podemos dizer com alegria: “até aqui nos socorreu o Senhor” (I Sm 7, 12) e, de certo, continuará a nos socorrer, pois Ele é fiel.

Pois bem, é pensando no encerramento desse ano que gostaria de lhes convidar para refletirmos juntos sobre outros possíveis encerramentos, porém mais voltados à nossa vida cotidiana. Que tal pensarmos: Além do ano, o que mais poderíamos encerrar? Sentimentos, pensamentos, comportamentos velhos… Enquanto escrevo, vou me lembrando do meu ano e me fazendo também essa pergunta, ao que lhe convido a fazer o mesmo, na medida em que a leitura deste texto avança.
No ano de 2019, muitos foram os desafios enfrentados, certo? Desafios pessoais, profissionais, afetivos, familiares, comunitários, enfim, inúmeros. Creio que alguns já vencidos, porém outros ainda por vencer, afinal de contas, como refletimos no texto passado, eles fazem parte do processo de atravessamento do barco para o outro lado, uma vez que estamos por aqui, apenas, “de passagem”. Contudo, apesar dos desafios, fato é que chegamos ao final de mais um ano.

Neste sentido, dando continuidade à nossa reflexão sobre nossos possíveis encerramentos lembro-me aqui daquela passagem bíblica em que alguns magos, tendo sido avisados do nascimento de Jesus foram conduzidos por uma estrela até Ele. Antes, porém, se encontram com o rei Herodes que lhes pede que retornem a ele com informações acerca do local em que Jesus estava e para isso usa, como pretexto, o falso desejo de também ir adorá-Lo (Mt 2, 1-12).

Gostaria de destacar, no entanto, que, ao longo dessa narrativa, o que mais me atraiu foi que, após o encontro com Jesus, os magos foram avisados, enquanto dormiam, de que, ao voltarem para sua terra, deveriam seguir por outro caminho e não por aquele, anteriormente, planejado. E assim o fizeram!

Diante dessa cena, assim como do encerramento deste ano penso que poderíamos fazer também uma pausa para descansarmos da jornada trilhada até aqui e, com isso, nos permitirmos rever o caminho a ser seguido no novo ano. Quem sabe não seria o caso de, assim como aqueles magos, nos abrirmos, igualmente, para uma reorientação de nossa direção?
Em nossa vida, pode ser que estejamos já tão acostumados a fazer tudo da mesma maneira, a termos as mesmas ações e reações frente ao que nos acontece, a pensarmos do mesmo jeito, sobre nós e os outros, enfim, a seguirmos sempre pelo mesmo caminho, que não nos questionamos mais. Chegamos até mesmo a dizer: “meu temperamento/jeito é mesmo assim e não vou mudar”, porém quem sabe não seria, agora, uma boa hora para pensarmos em seguir por outro caminho?

Aproveitemos este tempo, que pode nos ser favorável, para nos encontrarmos com Jesus e n’Ele descansarmos para que, assim, possamos nos abrir a um novo caminho e termos de fato um ano, verdadeiramente, novo.

Forte abraço, obrigada por tudo o que vivemos juntos em 2019 e feliz revisão de rota para todos nós!

Seguimos…

Claudete de Freitas
Coordenadora da RCC Viçosa